sexta-feira, 26 de agosto de 2016






Brasileiras são encontradas mortas, em 

Portugal; 'Estou em choque', diz mãe

















Três brasileiras que estavam desaparecidas desde janeiro foram encontradas mortas, nesta sexta-feira, dentro de um poço perto de um aeroporto em Tires, em Cascais, Portugal. 

As vítimas são as irmãs mineiras Michele Santana Ferreira, de 28 anos, que estava grávida, e Lidiana Neves Santana, de 16, além da amiga delas, a capixaba Thayane Milla Mendes, de 21. As informações são do jornal "i", de Portugal.
Os corpos estavam num hotel para cães e gatos, onde o namorado de Michele e principal acusado do crime trabalhava.

O interior do hotel para cães e gatos onde os corpos foram encontrados
O interior do hotel para cães e gatos onde os corpos foram encontrados Foto: Reprodução da internet
A mãe das irmãs mineiras, a auxiliar de serviços gerais Solange Santana Leite, de 50 anos, confirmou ao EXTRA, nesta sexta-feira, que recebeu a notícia da morte das filhas por uma amiga que mora em Portugal.


— Elas, infelizmente, foram encontradas mortas. Minha amiga que está em Portugal me ligou para avisar, mas a polícia ainda não encontrou em contato comigo — lamentou a mãe: — Como você acha que uma mãe estaria ao saber que duas filhas e um neto estão mortos? Estou em choque. É muito difícil.


Solange, no entanto, disse que não tem como sair do Brasil para ir até a Europa em busca do corpo das filhas. Ela disse que vai contar com a ajuda de sua amiga para resolver as questões burocráticas.


Segundo a moradora de Campanário, na Região do Rio Doce, em Minas Gerais, a filha mais velha, que estava grávida de 3 meses, morava em Lisboa, em Portugal, há 9 anos, na companhia de um outro brasileiro com quem mantinha um relacionamento.

Irmãs mineiras não davam notícias de seu paradeiro desde janeiro
Irmãs mineiras não davam notícias de seu paradeiro desde janeiro Foto: Reprodução / Desaparecidos do Brasil
No fim do ano passado, Michele convidou a irmã mais nova para morar com ela. A adolescente aceitou o convite. Pouco tempo depois, em janeiro, a capixaba amiga delas também viajou para o páis. 

Foi quando a agonia de Solange começou. Uma vez que dias depois da chegada de Thayane a Lisboa, ela perdeu contato com as jovens.


Ainda de acordo com Solange, na esperança de ter alguma informação sobre as jovens, ela entrou em contato com o companheiro da filha mais velha, conforme contou ao EXTRA em maio deste ano.


— Ele disse que elas estavam bem e que iriam para Londres. Ele disse que Michele tinha largado o emprego e saído do Facebook para não ser encontrada pela ex-patroa. Mas eu desconfio dessa história — contou Solange, cuja filha mais velha trabalhava como faxineira no país europeu.


Segundo a mãe das mineiras, o companheiro da filha, poucos dias depois do desaparecimento das mulheres voltou para Novo Cruzeiro, no Vale do Jequitinhonha, onde tem um filho com outra mulher.

Local onde as vítimas foram encontradas, em Portugal
Local onde as vítimas foram encontradas, em Portugal Foto: João Porfírio – Semanário SOL / Jornal i
— Só ele sabe o que aconteceu com minhas filhas. Ele já foi ouvido pela polícia (brasileira), mas não sei o que ele pode ter contado — contou a mulher, que acrescentou: — Uma amiga contou que ele costumava ser agressivo com a Michele.


Em maio, o Itamaraty informou que acompanhava o caso desde fevereiro. Segundo as informações obtidas pelo órgão, as jovens teriam planos de ir para Londres, mas não havia registro nem da saída delas de Portugal, nem da entrada no Reino Unido.


O nome das mulheres chegou a ser incluído no sistema de alerta da imigração da polícia inglesa e da Interpol.
Corpos foram encontrados num hotel para cães e gatos
Corpos foram encontrados num hotel para cães e gatos Foto: João Porfírio – Semanário SOL / Jornal i



Fonte-Exttra


Idosa se machuca e tem perna enfaixada por cima da calça e do tênis

Maria Ivone ficou dois dias sem tomar banho e teve que dormir de tênis. Mulher chegou a fazer quatro exames até receber atendimento em Bariri.




Depois de cair e machucar a perna esquerda, uma mulher de 70 anos teve o membro enfaixado por cima da calça e do tênis que vestia. O inusitado caso aconteceu em Bariri(SP) e repercutiu na cidade.
Em nota, a direção da Santa Casa informou que a conduta médica  foi encaminhada ao Conselho de Ética  Médica da Santa Casa de Bariri. O hospital ressaltou ainda que prestou todo o atendimento necessário à paciente.
Maria Ivone Rodrigues Leme conta que chegou a dormir com sapato e ficar sem tomar banho por dois dias, até que um novo atendimento médico fosse realizado na Santa Casa de Bariri (SP) para tirar a faixa e colocar gesso.

Segundo Maria Ivone, quatro exames de raio-x foram realizados para que a lesão na perna esquerda fosse identificada e tratada. “Já vai fazer um mês que estou atrás de médicos aqui em Bariri. Na terça-feira vi que precisava de atendimento e passaram de médico para médico, até que um deles falou que eu precisava engessar porque a perna estava quebrada mesmo. Eu fui de ambulância para a Santa Casa, então o médico enfaixou minha perna, mas ele enfaixou tudo. Eu estava de calça comprida por causa desse frio que está fazendo e ficou tudo ‘empelotado’. Foi calça comprida, foi meia e pegou até o tênis”, conta.

Uma dia depois do procedimento, Francisco Fernando Leme, filho de Maria Ivone, visitou e fotografou a mãe. As imagens foram publicadas nas redes sociais e o caso repercutiu até que um enfermeiro da cidade visitou a idosa. "Ele [o enfermeiro] falou que não poderia por a mão, a não ser um médico. Ele achou um absurdo, mas não pôde fazer nada", diz Fernando.
Na quinta-feira (25), Maria Ivone voltou à Santa Casa para novo procedimento (Foto: Francisco Fernando Leme/Arquivo Pessoal)
Na quinta-feira (25), Maria Ivone voltou à Santa Casa
para novo procedimento (Foto: Francisco Fernando
Leme/Arquivo Pessoal)
Na quinta-feira (25), a idosa retornou à Santa Casa, onde o procedimento foi realizado corretamente. "Eu fui no médico de novo e troquei o gesso. Falei para desta vez o doutor colocar o gesso bem colocado, porque antes estava feio e eu estava passando vergonha", lembra Maria Ivone, aos risos.
“A gente dá risada, mas é grave. Como ela iria tomar banho? Como dormir com sapato? Eu acho isso um pouco caso porque é uma falta de consideração com o ser humano", pontua Valdirene Rodrigues Leme, também filha da paciente.
Lesão
Ainda segundo Fernando, a idosa se levantou durante a noite, caiu e machucou o joelho e o braço. "Ela chegou a tirar quatro raios-x e agora está com a perna quebrada. Na quinta-feira, ela foi com minha sobrinha para trocar o gesso e, na terça-feira, dia 30, ela volta a ser consultada", diz. "Apesar da lesão, ela não sossegou. Hoje cheguei na casa da minha mãe e ela estava lavando o quintal. Apesar de ser uma situação grave, ela ri da situação", finaliza.

Idosa passou por vários atendimentos médicos até ser enfaixada dessa forma  (Foto: Diego Santos/ Bariri Rádio Clube )Idosa passou por vários atendimentos médicos até ser enfaixada (Foto: Diego Santos/ Bariri Rádio Clube )

































Fonte G1






Renan admite que atuou para livrar 


Gleisi Hoffmann e Paulo Bernardo de 


indiciamento









O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) admitiu durante a sessão do impeachment nesta sexta-feira (26) que interferiu para "desfazer" o indiciamento da senadora Gleisi Hoffmann e de seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo. "Isso não pode acontecer, como a senadora pode fazer uma declaração dessa? Exatamente, senhor presidente [Lewandowski], uma senadora que há trinta dias o presidente do Senado Federal conseguiu no Supremo Tribunal Federal  desfazer o seu indiciamento e do seu esposo. 


Isso não pode acontecer isso é um espetáculo triste que vocês estão dando ao país", afirmou Renan, que já havia criticado a atuação dos parlamentares no julgamento do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff ao comparar o debate com um hospício


A fala do presidente do Senado aconteceu em resposta à reclamação feita por Gleisi nesta quinta-feira (25). "Qual é a moral que tem os senadores aqui para dizer que ela é culpada, para cassar? Quero saber. Qual é a moral que vocês têm?", declarou a petista. 


Em nota, Renan esclareceu a sua fala e disse que as intervenções foram feitas em nome do Senado Federal. "As intervenções do Senado Federal são impessoais, transparentes e ditadas pelo dever funcional no intuito de defender a Instituição e as prerrogativas do mandato parlamentar".



Fonte-bahianoticia

quinta-feira, 25 de agosto de 2016






Menina de 8 anos morre protegendo a 

irmã de 4 anos em terremoto na Itália







Uma menina de 8 anos de idade sacrificou a própria vida para salvar a irmã na cidade de Pescara del Tronto, na Itália, uma das atingidas pelo terremoto de 6,2 graus de magnitude. 

Segundo o jornal “Daily Mail”, as duas foram encontradas soterradas nos escombros de sua casa de férias na aldeia. A avó delas, Angela Cafini, chorou ao contar que a neta mais nova, Giorgia Renaldo, de 4 anos, só escapou porque a mais velha, Giulia Renaldo, a protegeu.

“Giulia morreu salvando sua irmã. Ela se deitou em cima dela. Essa é a única razão pela qual ela está viva. Disseram-me que ela não tem lesões e essa é a única explicação para isso”, afirmou Angela Cafini, emocionada. A aldeia praticamente despareceu e foi uma das mais atingidas pelos tremores.


“Elas foram encontradas juntas horas após o terremoto. Elas estavam juntas. Uma estava viva e a outra estava morta. Georgia tinha usado seu corpo para proteger a sua irmã pequena e ela não tinha ferimentos. É um milagre que ela esteja viva, mas eu estou despedaçada. Eu perdi uma neta”, contou.


As equipes de resgate ainda estão procurando entre os destroços na aldeia na esperança de encontrar outros sobreviventes. Muitas das vítimas do terremoto são crianças.



Fonte-Extra





ESTUDANTE PARANOICO SE DIZIA SER 


JESUS MATA A MÃE A FACADAS E FERI 


DOIS VIZINHOS.









O estudante Felipe Farina Garcia, de 25 anos, foi preso suspeito de matar a facadas a mãe, Suely Guerra Farina, de 59, e ferir duas vizinhas no condomínio em que morava na Vila Inglesa, Zona Sul de São Paulo, nesta terça-feira (23). A polícia apura o que teria motivado o crime.

Segundo o relato de testemunhas à Polícia Civil, o jovem andava paranoico com questões religiosas e se dizia Jesus Cristo. No apartamento dele, policiais militares encontraram uma pequena plantação de maconha.

O crime aconteceu por volta das 9h, na Rua Vicente Pereira de Assunção, uma travessa da Avenida Yervant Kissajikian. De acordo com os depoimentos dos vizinhos colhidos pela polícia, Suely e o filho viviam sozinhos e já tinham um histórico de brigas.
Nesta terça, durante mais uma discussão, Felipe atacou a mãe com uma faca.


Ela ainda conseguiu sair do apartamento e, aos gritos, correu em direção às escadas, mas o filho a alcançou logo no andar de baixo.

Três vizinhas ouviram o desespero de Suely e saíram de suas casas para ajudá-la. Em vão, segundo a polícia. O estudante esfaqueou a mãe na frente das vizinhas. Duas delas, que tentaram intervir, também foram atingidas com golpes de faca. A terceira conseguiu fugir e se trancou em um quarto de seu apartamento.

Suely não resistiu aos ferimentos e morreu ainda no local do crime. As vizinhas que ficaram feridas, Márcia Cristina Gonçalves de Oliveira e Luiza Cristina Borges, estão internadas nos hospitais Pedreira e São Paulo, respectivamente. De acordo com a polícia, ambas estão estáveis e já não correm risco de morte.



SNN com Informações Henrique Alves

terça-feira, 23 de agosto de 2016





AINDA SOBRE O CASO DA JOVEM 

GRÁVIDA QUE FOI MORTA E TEVE A 

BARRIGA ABERTA E ARRANCARAM SEU 

BEBÊ. ELE FOI ENCONTRADO VIVO E 

DUAS PESSOAS SÃO PRESOS EM MG.









Policiais civis prenderam na tarde desta segunda-feira (22/08) um casal acusado de matar uma grávida de oito meses para retirar o bebê. Shirley de Oliveira Benfica e Lucas Mateus Silva foram presos em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, e a criança, que é uma menina, foi recuperada viva e passa bem.

O corpo de Greiciara Belo Vieira, de 19 anos, foi encontrado por dois ciclistas no domingo, boiando nas águas de uma represa na zona rural de Ituiutaba, também no Triângulo Mineiro. O corpo estava envolto em uma tela de arame, com os pés amarrados com tiras de pano e um corte profundo na barriga, por onde o bebê foi retirado. 

A vítima ainda teve uma pedra de 10kg amarrada ao corpo, para que afundasse na água.
Detalhes do crime serão repassados em uma coletiva à imprensa na manhã desta terça-feira, pelo delegado regional Carlos Antônio Fernandes. 

Os suspeitos já foram interrogados por ele. Segundo informações da polícia, Shirley foi presa em Uberlândia e a criança estava em uma casa próxima. O bebê estava bem. Mesmo assim, ele foi levado para o Hospital das Clínicas da cidade para exames.


De acordo com a polícia, Shirley contou que estava grávida e sofreu aborto, que “encomendou” uma criança para apresentar à família como sendo sua. Lucas teria ficado encarregado de levar a grávida para Ituiutaba e disseram que ela foi dopada com medicamentos. Shirley e Lucas teriam matado a mulher para retirar o bebê. Segundo a polícia, o pai da criança não estaria envolvido com o crime.


Greiciara havia desaparecido na sexta-feira em Uberlândia, onde morava com a família. Segundo a perícia, a vítima foi estrangula com uma roupa de bebê e sofreu um corte profundo na barriga, por onde a criança foi retirada. Na tarde desta segunda-feira, a delegada de Ituiutaba, Roberta Borges, segui com o caso.

Relembre o caso

SNN com Informações de Henrique Alves

segunda-feira, 22 de agosto de 2016





MINAS GERAIS.
MULHER DE 19 ANOS GRÁVIDA DE 8 MESES É ENCONTRADA MORTA E COM A BARRIGA ABERTA.




Vítima de 19 anos estava grávida de 8 meses; feto não foi encontrado; mulher morava em Uberlândia; jovem estava com os pés amarrados por um tecido e o corpo envolto por uma tela de arame junto com uma pedra grande.

Uma jovem grávida, que estava desaparecida, foi encontrada morta, com a barriga aberta, dentro de uma represa, em Ituiutaba, na região do Triângulo Mineiro, nesse domingo (21). O feto ainda não foi localizado.

Dois ciclistas que faziam trilha pela zona rural da cidade, viram o corpo de Greiciara Belo Vieira, 19, boiando em uma represa, a cerca de cinco metros da margem, e chamaram a Polícia Militar (PM). O Corpo de Bombeiros retirou o corpo da água.

A vítima estava com os pés amarrados por um tecido e o corpo envolto por uma tela de arame junto com uma pedra grande, além de estar com o abdômen aberto e com as vísceras expostas.

A jovem estava desaparecida desde o dia 18 de agosto e segundo a mãe dela, a filha estava grávida de 8 meses, o que foi confirmado pela perícia.

Até o momento, não se sabe quem matou Greiciara e nem se o bebê dela está vivo.



SNN com Informações de Henrique Alves